É um importante resgate da rotina perceptiva da população. Os artistas e arquitetos que se dedicam há décadas a esta questão ganham nova dimensão e significado. Passam a ser inseridos com maior ressonância no dia a dia de todos.

Vocês não fazem ideia de quantas pessoas após a vossa “descoberta” passaram a me ligar para dizer que “enxergaram” aquilo que eles viam quase todo dia… Verdadeiro milagre!

Maria Bonomi, artista plástica

O Arte Fora do Museu foi um projeto dos jornalistas Felipe Lavignatti e Andre Deak vencedor de um prêmio de arte para internet em 2010. Foi lançado em 2011, em São Paulo, a partir do mapeamento de 100 obras de arte que estão no espaço público da cidade, como grafites, murais, esculturas e arquiteturas. Apenas em 2012, a exposição com mídia espontânea do projeto chegou a um público de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo divulgação em diversos canais de TV, jornais e revistas.

O projeto utiliza uma API do Instagram para que qualquer pessoa possa usar a tag #arteforadomuseu e automaticamente contribuir com o mapa. Centenas de pontos estão mapeados, divididos entre “colaborativos” e “curatoriais”, em que pesquisadores ou artistas comentam a obra de arte.

O projeto foi pensado como “mobile first”, sendo um app de guia cultural para cidades. Não apenas São Paulo, mas dezenas de cidades estão mapeadas.

Além do site, essa iniciativa para valorização da arte pública transformou-se numa narrativa transmidiática: virou aplicativo para celular, exposição itinerante (Bienal de Arquitetura, Vivo Art.Mov, Sesc), oficinas de produção multimídia e de mapeamentos (universidades, Sesc, escolas), vídeos distribuídos na web e em canais de tv online (Netmovies), além de projetos para guias impressos, séries de TV, documentários.

O próprio desenvolvimento da plataforma também se tornou um negócio, tendo sido utilizada e modificada para diversos outros mapeamentos, para diferentes clientes.

SAIBA MAIS

TEDxMaua – Arte Fora do Museu

Making of Arte Fora do Museu