A realidade virtual deixa o campo da brincadeira ou dos jogos e entra nos documentários interativos de altíssima qualidade – ou o nome que ainda darão para este tipo de narrativa. Com a proposta de transportar com a maior realidade possível o usuário para uma viagem ao cume do Everest, a experiência usa o que há de mais avançado em tecnologia gráfica para recriar ambientes da montanha mais alta do mundo. A proposta dos produtores é “levar pessoas para lugares impossíveis através de experiências transformadoras em realidade virtual”. Feito para rodar no óculos de realidade virtual HTC Vive (US$ 800).