Parceria ESPM Media Lab e DocuBase MIT

Nunca antes os Jogos Olímpicos foram realizados em uma região que contrasta mais com o glamour dos Jogos do que em Sochi. A apenas 20 km de distância se encontra a zona de conflito da Abecásia. Ao leste, as montanhas do Cáucaso levam à repúblicas separatistas obscuras e empobrecidas, como a Ossétia do Norte e Chechênia. No litoral, antigos sanatórios da era soviética ficam lado a lado com os hotéis e baladas mais caros da Riviera Russa. Até 2014, a área ao redor de Sochi será transformada de forma irreconhecível.

Arnold van Bruggen, autor, extraído do The Sochi Project

Os Jogos Olímpicos evocam imagens de pompa, esportismo e celebração. Cidades ao redor do mundo disputam a honra de sediar os Jogos, e o vencedor despeja tempo e recursos no desenvolvimento de um ambiente olímpico para fazer o mundo gritar “uau!”. Porém, como essa agitação afeta a vida cotidiana de uma cidade-sede, e será que toda a atenção da mídia para com o evento não desvia de algo ainda maior?

Os colaboradores Rob Hornstra e Arnold van Bruggen analisam estas questões no projeto Sochi, uma investigação da cidade turística russa escolhida para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014. Descrito por seus criadores como “jornalismo lento”, a equipe se instalou em Sochi e passou os anos entre a escolha da cidade-sede pelo comitê olímpico em 2007 e os jogos em 2014 investigando e observando. Viram mudanças lentas e coisas que permaneceram completamente iguais. The Sochi Project possui oito seções grandes e aprofundadas de relatórios sobre os diferentes aspectos dos Jogos, a cidade e as áreas vizinhas da Rússia atormentadas por conflitos. Em cada seção há fotografias, áudios e material em vídeo que permitem aos usuários explorar as questões mais ainda.

SAIBA MAIS

Docubase: Sochi Project